Categorias
Dicas e Truques Poupança

Poupança: planear a sua

O hábito de fazer poupança não parece ser nada de especial, mas existem inúmeros factores que podem contribuir para que, de facto, não se poupe no seu dia-a-dia.

Inserido no Dia Mundial da Poupança que se celebra a 31 de Outubro, vamos abordar a questão de como fazer poupança de forma organizada.

O dinheiro não estica até ao fim do mês…

Existem muitas estratégias de poupança, mas existe uma expressão que os anglo-saxónicos utilizam que traduz a minha estratégia favorita: “Pay yourself first.” Quando o dinheiro está na conta ou na carteira, escapa-se mais facilmente, por isso, pague primeiro a si mesmo. Ou seja, quando o ordenado ou outra fonte de rendimento cai na conta ponha logo de parte. Ao colocá-lo de parte, está a contribuir para o seu hábito de poupança.

Por norma, primeiro pagamos as contas e dívidas, depois gastamos em lazer e, por último colocamos o que sobrou na poupança. O desafio aqui é alterar a ordem das nossas prioridades, e passar a poupança para primeiro lugar, depois as contas e, por fim, mas não menos importante, o lazer.

Poupar para quê?

Poupar só por poupar não parece muito motivador, até porque muitas vezes olhamos para a poupança como algo que não vamos tirar partido num futuro próximo. Por vezes, é preciso passar por determinadas situações para termos a noção que um dinheiro de parte teria dado muito jeito. Um problema de saúde em que é preciso fazer um exame no privado para acelerar o processo ou um acidente de viação sem seguro de danos próprios. Estas coisas acontecem a toda a gente e, se está a ler este artigo, desconfio que também pode acontecer a si, embora, lhe deseje todo o bem do mundo.

Actualmente, temos 3 destinos principais (fundos) para a nossa poupança:

  • Emergência: para situações de crise (ler um artigo sobre o Fundo de Emergência);
  • Automóvel: estamos a poupar para comprar um automóvel nos próximos tempos;
  • Viagens: estamos a poupar para uma viagem ao estrangeiro mais elaborada a médio prazo (por exemplo, gostávamos de ir a Nova Iorque lá para 2014);
Estamos a considerar para breve a introdução de mais um fundo de poupança: o de Educação pois com duas filhas e, com um processo de austeridade em curso, preocupa-nos encontrar soluções que ofereçam qualidade e resultados no que toca à sua preparação para a vida activa.
 

Poupar quanto?

Saber quanto pode poupar de forma realista é um processo que pode envolver algumas contas. Contudo, se não tem paciência para grandes orçamentos, pode fazer à experiência e com o tempo ir definindo a melhor distribuição. Em todo o caso, comece com valores que tem a certeza que poderá colocar de parte sem atrapalhar as suas finanças pessoais.

O nosso exemplo

Cá em casa, criamos uma taxa de poupança a nosso favor de 20%. Ou seja, tudo aquilo que são rendimentos, seja ordenados, juros, lucros, subsídios, ofertas, 20% do seu valor é transferido imediatamente para a conta de poupança, mais concretamente, para o nosso Fundo de Emergência. Mais recentemente, estabelecemos 2 novos fundos de poupança: para adquirir um carro novo (6%) e para viagens (4%). Não é perfeito, mas neste momento cobre grande parte das nossas necessidades e com o tempo a distribuição irá sofrer ajustes. No seu caso, só precisa de encontrar a que melhor se ajusta às suas necessidades.

A ilustração seguinte mostra um exemplo de distribuição de rendimentos pelos respectivos fundos de poupança:

Onde colocar a sua poupança?

Saber colocar as poupanças no sítio certo também faz parte do processo de poupar. Poupar não é só colocar dinheiro de parte, é importante deixá-lo num local onde possa ser valorizado, pelo menos, para contrariar o efeito da inflação. Por isso, recomendo que o deposite numa conta a prazo ou aforro num banco que não cobre comissões (a banca online é um bom exemplo), que permita fazer reforços e tenha uma taxa de juro interessante. De referir também que para o Fundo de Viagens – um fundo cuja movimentação de capital é mais frequente do que no caso do Fundo de Emergência – interessa constituir uma conta que permita alguma liberdade de movimentação de capital com perda de juros apenas parcial.

Tem estratégias de poupança diferentes? Partilhe as suas ideias deixando um comentário!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *